Blog


O Dr. Gilberto Lahorgue Nunes responde as questões mais comuns sobre a sua atividade.

Quais doenças um médico cardiologista trata?

O cardiologista faz o diagnóstico e o tratamento das doenças que envolvem o coração e o sistema cardiovascular. As doenças mais frequentemente tratadas pelo cardiologista são a pressão alta (hipertensão arterial), as obstruções das artérias coronárias (vasos que irrigam o músculo cardíaco), as doenças das válvulas cardíacas, as arritmias cardíacas e a insuficiência cardíaca (“coração dilatado”).

Quando procurar um cardiologista?

Deve-se procurar o cardiologista na presença de sintomas sugestivos da presença de doenças cardíacas, tais como a dor no peito, o cansaço, a falta de ar e as palpitações. Geralmente, recomenda-se que a partir dos 40 anos de idade, todas as pessoas façam uma avaliação cardiológica de rotina. Pessoas que tenham histórico de doença cardíaca na família ou que apresentem fatores de risco tais como diabetes, hipertensão, fumo, obesidade ou aumento do colesterol devem fazer esta avaliação mais precocemente.

O que perguntar em uma consulta ao cardiologista?

Durante a consulta com o cardiologista, o paciente deve relatar todos os sintomas que apresenta assim como informar se é portador de algum fator de risco para as doenças cardiovasculares ou se algum familiar de primeiro grau (pais, avós, irmãos/irmãs) é portador de algum tipo de doença cardiovascular ou apresentou morte súbita. O paciente deve perguntar sobre como adotar um estilo de vida mais saudável e que diminua o seu risco de desenvolver doenças do coração.

O que faz um cardiologista intervencionista?

O cardiologista intervencionista é um cardiologista que tem especialização na área de tratamento das doenças cardiovasculares por cateter. Isso inclui o tratamento das obstruções das coronárias, das doenças das válvulas cardíacas e de outras doenças que envolvam as artérias do corpo.



 

Infarto do miocárdio é a oclusão aguda ou súbita de uma coronária – artéria que irriga uma parte do músculo cardíaco –, levando a uma isquemia aguda, ou seja, à falta de oxigenação desse tecido do coração. Essa falta de oxigenação aguda pode ocasionar a morte desse tecido caso não seja instituído um tratamento precoce.

Geralmente a dor do infarto tem características e localização muito parecidas com a dor de angina, ou seja, geralmente é do lado esquerdo do peito ou na porção central do tórax, atrás do osso esterno. Ela é em peso, aperto ou queimação, mas com uma intensidade muito superior a dor de angina. Além disso, frequentemente a dor de infarto está associada ao suor frio, náuseas e, eventualmente, vômitos.

Ao perceber os sintomas – dor prolongada e intensa, surgindo em repouso –, deve-se entrar em contato imediatamente com o serviço de emergência para ser atendido, de preferência em casa, e ser levado de ambulância para o hospital. Isso porque, na grande maioria dos casos, as complicações mais imediatas do infarto são devido às arritmias cardíacas, que podem levar a uma parada cardíaca. Então, se essa arritmia acontece dentro de uma ambulância equipada, é muito mais fácil revertê-la. Evidentemente que, se o auxílio de uma ambulância for demorado e for mais rápido acessar o atendimento com um veículo próprio, essa alternativa deve ser implementada.

Chegando ao hospital, é feito um eletrocardiograma para confirmar o diagnóstico de infarto. Também são feitas medicações que bloqueiam as plaquetas e afinam um pouco o sangue. Na sequência, esse paciente deve ser submetido a um cateterismo cardíaco em caráter de urgência, para identificar a artéria responsável pelo infarto e proceder a desobstrução da mesma, com a realização da angioplastia e da colocação de próteses metálicas, os stents.

Esse tipo de tratamento salva vidas, diminuindo de maneira expressiva a mortalidade associada à fase aguda do infarto do miocárdio.

Se a pessoa mora em uma região onde não há hospital equipado para realizar o cateterismo cardíaco de urgência e a angioplastia, esse paciente deve ser submetido no ambiente hospitalar a um tratamento com trombolíticos. Essa medicação é aplicada na veia e dissolve o coágulo que se forma em cima da placa de gordura, permitindo uma passagem parcial de sangue, aliviando os sintomas e permitindo que o músculo não morra, como aconteceria se a coronária permanecesse obstruída. Esse tipo de tratamento serve como ponte para posterior realização do cateterismo cardíaco – em 24/48 horas no máximo, o paciente deve ser transferido para um centro mais equipado e ser submetido ao cateterismo e à angioplastia.



No dia 14 de novembro, celebra-se o Dia Mundial do Combate ao Diabetes, uma doença que tem se tornado uma verdadeira pandemia mundial. Dados do Ministério da Saúde contabilizam um total de aproximadamente 16 milhões de diabéticos no Brasil. A incidência aumenta com o envelhecimento, acometendo mais de 20% da população com idade acima dos 65 anos, sendo que o diabetes anda de mão dadas com outra epidemia nacional, a obesidade.

Projeções feitas a partir de estudos epidemiológicos indicam que até 2045 haverá um aumento de 55% ou mais no número de diabéticos no nosso país, com um impacto expressivo em termos de saúde pública.

O diabetes é um conhecido fator de risco para o desenvolvimento das doenças cardiovasculares, como o infarto e o acidente vascular cerebral. Além disso, os diabéticos estão mais propensos a desenvolver hipertensão arterial e aumento dos níveis de colesterol. Pacientes adultos com diabetes apresentam um risco duas a quatro vezes maior de morrer de doenças cardíacas do que os não-diabéticos.

O que podemos fazer para impedir o alastramento dessa doença e das suas consequências?

Mudanças simples no estilo de vida exercem um efeito poderoso na prevenção do desenvolvimento do diabetes. Dados do Diabetes Prevention Program dos Estados Unidos mostraram uma redução de 58% na incidência da doença ao final de três anos de acompanhamento com a perda de 7% do peso corporal e a realização de atividade física de moderada intensidade por 150 minutos por semana.

Outra medida fundamental é o diagnóstico precoce, especialmente em pessoas com obesidade/sobrepeso, hipertensão arterial ou com história de diabetes na família. O diagnóstico e tratamento precoce do diabetes são fundamentais para prevenir a ocorrência de dano ao coração, ao cérebro e aos rins.

Finalmente, novos medicamentos recentemente aprovados para o uso clínico, são capazes de reduzir a ocorrência de morte por causas cardiovasculares e a progressão do comprometimento da função dos rins. Em resumo, podemos sim controlar a epidemia do diabetes usando o tripé prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado!

 

Fonte: JC – 13/11/2020


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital