Blog


Os stents coronários são pequenas próteses metálicas utilizadas para desobstruir estreitamentos nas artérias coronárias (vasos que irrigam o músculo cardíaco), que provocam o surgimento de dor no peito desencadeada por esforços físicos (angina) ou, em casos extremos, quadros de infarto do miocárdio ou pré-infarto.

Os stents não enferrujam, não quebram, não apresentam rejeição e não saem do local, desde que adequadamente implantados e expandidos. O médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes destaca ainda que eles são extremamente eficazes no alívio dos sintomas de angina e, em quadros de infarto e pré-infarto, reduzem o risco de complicações graves, inclusive a ocorrência de morte. 

Essas próteses são feitas de ligas metálicas (tais como cromo ou cobalto), resistentes apesar de possuírem hastes finas, e se conformam completamente à anatomia do vaso.

Os stents são implantados no local da obstrução por meio da insuflação de um pequeno balão, sobre o qual a prótese vem montada, que é introduzido na circulação através de cateteres avançados até o coração a partir da punção de uma artéria localizada no punho (acesso radial) ou na virilha (acesso femoral). As próteses utilizadas atualmente vêm impregnadas com medicamentos que bloqueiam a ocorrência de cicatrização excessiva ou inflamação no local do implante.



Uma ótima notícia para os portadores de planos de saúde da Unimed Porto Alegre: a operadora enviou circular aos seus médicos cooperados indicando que está em processo de incorporação do Implante por Cateter de Válvula Aórtica (TAVI) para ser disponibilizado aos seus segurados.
A iniciativa está em consonância com o disposto na Resolução Normativa no 465 do Ministério da Saúde/Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), de 24 de fevereiro de 2021, que incluiu o TAVI no rol de procedimentos a serem adotados pelos convênios.
Desta forma, a Unimed Porto Alegre sinaliza que esse procedimento será autorizado de rotina nos pacientes que atendam aos seguintes critérios estabelecidos pela RN no 465:

– Pacientes com idade > 75 anos com estenose da válvula aórtica sintomática, com expectativa de vida > 1 ano e que sejam de alto risco para cirurgia convencional ou inoperáveis;
– A decisão pela indicação da TAVI deverá ser respaldada por um grupo multidisciplinar incluindo o cardiologista clínico, o cardiologista intervencionista, o cirurgião cardíaco e o anestesista.

Embora as evidências científicas atuais indiquem que a TAVI é benéfica e apresenta resultados semelhantes ou mesmo superiores à cirurgia, também em pacientes com risco cirúrgico intermediário ou baixo, essa decisão da Unimed Porto Alegre deve ser comemorada, pois vai beneficiar um grande número de pacientes portadores de estenose da válvula aórtica. A luta agora é para que a ANS expanda a indicação da TAVI para os demais grupos de pacientes, a exemplo do que já é rotina na Europa e nos Estados Unidos.


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital