Fumo x doenças cardiovasculares: um importante fator de risco

Fumo x doenças cardiovasculares: um importante fator de risco


 

O fumo representa uma das principais causas das doenças cardiovasculares. Estima-se que uma a duas mortes, entre cada 10 que ocorrem no mundo anualmente, sejam devidas ao hábito de fumar. Existe um impacto negativo do tabagismo sobre alguns fatores de risco cardiovasculares, como a intolerância aos carboidratos e os baixos níveis do colesterol protetor, o chamado HDL colesterol.

Outro fator importante é o efeito potencializador do fumo sobre os demais fatores de risco para doença cardiovascular, como hipertensão, diabete e níveis elevados do colesterol ruim (o LDL colesterol). Quando a pessoa fuma e tem um desses fatores de risco adicionalmente, o risco de desenvolver complicações cardiovasculares sérias aumenta em quatro vezes. Se, por outro lado, a pessoa fuma e possui dois desses fatores de risco, a chance de um evento grave cardiovascular aumenta em oito vezes.

Além das doenças cardíacas, como infarto e angina, o tabagismo também provoca o acidente vascular cerebral (AVC), os aneurismas de aorta e as obstruções das artérias dos membros inferiores.

É importante ressaltar que, mesmo pessoas que fumam pouco – menos de cinco cigarros por dia –, também apresentam maior risco de desenvolver essas doenças. E mais importante ainda: existe uma correlação entre o número de cigarros que se fuma por dia e o aumento do risco cardiovascular, ou seja, quanto maior o número de cigarros consumidos por dia, maior o risco de infarto e AVC.

A cessação do fumo é extremante benigna para o indivíduo. O risco cardiovascular cai ano após ano após a interrupção do hábito de fumar. Estima-se que após um ano, pelo menos, de abstinência do tabagismo, exista uma redução de 50% do risco cardiovascular. E, ao final de 10 anos de abstinência do fumo, esse risco cardiovascular se iguala ao risco de indivíduos que nunca fumaram.

No Brasil, felizmente, graças às campanhas de conscientização, houve uma redução de 40% na taxa de fumantes nos últimos anos. Em 2006, aproximadamente 15% da população brasileira fumava. Já em 2018, esse número caiu para menos de 10%. Lamentavelmente, algumas capitais, como Porto Alegre, Curitiba e São Paulo, ainda apresentam uma porcentagem de fumantes acima da média nacional de 10%.

Parar de fumar não é uma tarefa fácil, mas deve ser perseguida com afinco, pois é capaz de reduzir de maneira expressiva o risco cardiovascular. A fim de conseguir vencer a dependência química e física causada pelo hábito de fumar são fundamentais o acompanhamento médico, o uso de medicações e outras formas de tratamento como, por exemplo, a terapia cognitiva comportamental.

O tabagismo ainda é um problema de saúde pública no nosso país e deve ser combatido de maneira intensiva. A conscientização dos riscos do tabagismo, tanto em relação às doenças cardiovasculares quanto aos cânceres, deve ser enfatizada à toda a população, e auxílio deve ser prestado àqueles que fumam e desejam parar de fumar, a fim de que a ocorrência das doenças cardiovasculares associadas ao uso do tabaco possa ser reduzida expressivamente no Brasil.

 

Artigo publicado no site do Jornal do Comércio em 28/08/20.

 


Deixar uma resposta

Seu email não será divulgado. Required fields are marked *


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital
WhatsApp chat