Qual exame detecta veia entupida no coração?

Qual exame detecta veia entupida no coração?

Muitas pessoas se referem a doenças cardíacas como sendo uma veia entupida no coração, trazendo uma pergunta recorrente: “como saber se a veia do coração está entupida?”. O médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes esclarece que, inicialmente, é importante fazer uma diferenciação entre o que é veia e o que é artéria.

As veias são os vasos que drenam o sangue não oxigenado dos tecidos e o levam para o pulmão, onde ele é oxigenado. As artérias, por outro lado, são os vasos que conduzem o sangue oxigenado para irrigação e oxigenação dos tecidos.

Dessa forma, doenças acometendo veias cardíacas são extremamente raras. O que é muito mais comum são doenças acometendo as artérias coronárias, que são as que irrigam o músculo cardíaco. Podem causar desde quadros de angina, que é aquela dor no peito em aperto e que surge geralmente associada ao esforço físico, até a oclusão total das artérias coronárias, levando a uma situação de infarto agudo do miocárdio, no qual o músculo cardíaco, por falta de recebimento do sangue oxigenado e da sua irrigação, acaba morrendo e levando uma parte do músculo cardíaco a não funcionar ao longo do tempo.

Causas do “entupimento” das artérias – As pessoas perguntam “o que entope as veias do coração” – no caso as artérias coronárias. O processo de aterosclerose começa muito cedo na vida. Existem evidências de crianças e adolescentes já com pequenas placas de gordura nas artérias coronárias no seu estágio inicial nessa faixa etária. Fumo, obesidade, presença de colesterol alto, pressão alta e diabete contribuem para a progressão da obstrução ao longo dos anos, levando ao surgimento de sintomas – dor no peito ou cansaço desproporcional ao se fazer uma atividade física.

Coronária direita com duas estenoses graves, no seu óstio (seta preta) e terço médio (seta vermelha).

A detecção de obstruções ou de entupimentos em artérias cardíacas pode ser feita por meio de exames não invasivos, como teste ergométrico, cintilografia do miocárdio, ecocardiografia de estresse ou mesmo ressonância cardíaca.

Num extremo mais invasivo, o diagnóstico pode ser feito pelo cateterismo cardíaco, geralmente indicado quando o paciente apresenta um quadro instável, com risco de evolução para um infarto do miocárdio, ou quando os exames não invasivos mostram uma grande área do músculo cardíaco com irrigação deficiente.

Sobre o diagnóstico por cateter – Cateterismo cardíaco é o nome genérico que se dá para todos os procedimentos em que o coração é acessado por intermédio da introdução de cateteres, com a punção de uma artéria ou uma veia.

Na grande maioria dos casos, quando se fala em cateterismo cardíaco, está se referindo ao estudo realizado das artérias coronárias visando à detecção de obstrução ou de entupimento desses vasos.

Hoje em dia, esse tipo de procedimento diagnóstico invasivo é realizado basicamente para determinação da presença ou não de obstruções (estreitamentos) das artérias coronárias (neste caso, ele é chamado de cinecoronariografia).

Além de ser o padrão-ouro para a identificação dessas obstruções, a cinecoronariografia também determina se há a necessidade ou não do seu tratamento.

De modo geral, o cateterismo é um exame bastante rápido, realizado em torno de 15 a 20 minutos. No caso do cateterismo ser feito para tratamento de uma doença cardíaca, o tempo pode variar de 30 minutos a duas ou três horas, dependendo da complexidade do caso a ser tratado.

O tratamento das obstruções das coronárias por cateter pode ser realizado por duas vias de acesso. A primeira delas, utilizada há mais tempo, é feita pela punção de uma artéria localizada na região da virilha (artéria femoral). Mais recentemente, uma outra via de acesso ainda menos invasiva foi desenvolvida, utilizando a punção de uma artéria localizada no punho (artéria radial).

A utilização da artéria radial apresenta várias vantagens em relação ao acesso tradicional, pela virilha. Você pode obter mais informações sobre essa via de acesso e suas vantagens na aba Acesso Radial”.


24 comments

  • Fernando Marques dos Santos

    9 de agosto de 2021 at 14:06

    Gostei muito das informações sobre os exames para desobstruir as artérias entupidas,e como detequitar uma angina no peito.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      10 de fevereiro de 2022 at 17:08

      Agradecemos seu comentário. 🙂

      Reply

  • Irislane ribeiro

    18 de dezembro de 2021 at 22:57

    O que significa tronco de coronarias sem lesai
    Descendente anterior isenta de ateromatose significativa
    Circunflexa isenta de ateromatose significativa
    Coronaria direita sem lesão
    Queria saber o que significa essa conclusao de um cateterismo que foi feito na minha tia de 80 anos

    Reply

    • Dr. Gilberto

      10 de fevereiro de 2022 at 17:56

      É importante levar o resultado do exame para o cardiologista que o solicitou para obter mais informações, de acordo com o quadro clínico de sua tia.

      Reply

  • Carlos Pessoa

    22 de janeiro de 2022 at 23:49

    Qual o próximo passo do tratamento pode ser com remédio ou ponte de Safena?

    Reply

    • Dr. Gilberto

      10 de fevereiro de 2022 at 17:05

      Carlos, você deve procurar cardiologista que solicitou o exame para obter as orientações adequadas ao seu caso.

      Reply

  • Mara Trovato

    27 de janeiro de 2022 at 17:57

    Qual a diferença do exame de angiotomografiacoronariana e a cintilografia? É possível fazer a angiotomografia sem contraste . Agradeço a atenção.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      10 de fevereiro de 2022 at 16:59

      A cintilografia miocárdica é um exame não invasivo usado na investigação da presença ou não de obstruções nas artérias coronárias. Normalmente, é solicitado pra um paciente que tem sintomas sugestivos de angina e no qual se precisa esclarecer se há necessidade de se evoluir para a realização de um cateterismo cardíaco ou não.
      Na cintilografia miocárdica, é injetado um contraste radioativo numa veia periférica e são feitas imagens no músculo cardíaco. Esse contraste radioativo se liga às células vermelhas, hemácias, e consequentemente onde o fluxo de sangue é normal existe uma concentração normal também desse contraste. Então, a cintilografia miocárdica não vê as coronárias, ela vê o músculo cardíaco, e se existe alguma alteração de irrigação desse músculo cardíaco que possa sugerir a presença de obstrução na coronária que irriga essa região do músculo cardíaco.
      Já a angiotomografia coronariana é um exame que avalia a anatomia das artérias coronárias. Ela tenta ver através da ingestão de um contraste contendo iodo, praticamente igual ao que se usa no cateterismo, se as coronárias estão desobstruídas ou não – ou seja, ela tenta ver não com tanta acurácia o que o cateterismo vê com total clareza – se as coronárias têm obstruções ou não.
      Normalmente, a angiotomografia é realizada para se excluir a presença de doença coronária, ou seja, geralmente solicitada em um paciente que apresenta fatores de risco e tem sintoma que não são totalmente compatíveis com angina, e no qual a gente quer por alguma razão importante excluir a presença de doença coronária. O grande valor da angiotomografia é quando ela não mostra nenhuma obstrução nas coronárias. Quando esse exame mostra obstruções, é fundamental se confirmar essas informações com cateterismo cardíaco. Por quê? Porque a angiotomografia tende a superestimar a gravidade das obstruções em relação ao que se observa no cateterismo cardíaco e, muitas vezes, não consegue perceber obstruções que acontecem em vasos mais periféricos e de pequeno calibre.

      Reply

  • CARLOS ALBERTO DE MAGALHÃES

    10 de fevereiro de 2022 at 09:59

    Fiquei muito satisfeito com as informações dadas de forma muito clara.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      10 de fevereiro de 2022 at 15:44

      Agradecemos seu comentário. 🙂

      Reply

  • Irla

    17 de fevereiro de 2022 at 19:07

    Qualquer paciente pode fazer a cintilografia ?
    Há algum risco em relação ao constraste radiativo?

    Reply

    • Dr. Gilberto

      23 de fevereiro de 2022 at 18:11

      Boa tarde, Irla. Não existe risco a não ser que o paciente tenha uma alergia específica quanto ao contrate radioativo.

      Reply

  • Marcio Gallego

    27 de fevereiro de 2022 at 22:55

    Boa noite !

    Meus exames são todos bons, inclusive o de esforço feito através de ergoespirometria . Seria excesso de minha parte pedir ao médico que solicite esses exames mais detalhados, digamos mais complexos ?

    Reply

    • Dr. Gilberto

      16 de março de 2022 at 10:58

      Olá, Marcio. A necessidade ou não de realizar exames cardiológicos mais aprofundados depende basicamente do grau de suspeita da presença de uma doença cardíaca. Se a avaliação inicial está sendo realizada apenas como check-up em paciente que é assintomático, uma ergometria geralmente é suficiente.

      Reply

  • Maria

    1 de março de 2022 at 21:38

    Estou com o colesterol não HDL com 117 ou seja um ótimo valor tenho chances msm assim de ter artéria intupida ?

    Reply

    • Dr. Gilberto

      16 de março de 2022 at 10:56

      Olá, Maria. O colesterol elevado, especialmente o LDL colesterol (chamado de colesterol “ruim”, pois promove o acúmulo de gorduras na parede das artérias) é um importante fator de risco para o desenvolvimento de aterosclerose nas artérias coronárias, que provoca a obstrução progressiva da luz das artérias coronárias. Entretanto, existem outros fatores de risco para a aterosclerose (como a pressão alta, o fumo, o diabetes e o histórico familiar de infarto precoce). Consequentemente, a presença de níveis adequados de colesterol reduz o risco, porém não impede que o processo da aterosclerose possa ocorrer provocado por outras causas.

      Reply

  • JOCILENE

    11 de março de 2022 at 16:43

    PARABENS DR GILBERTO, MUITO ESCLARECEDOR.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      16 de março de 2022 at 11:10

      Agradecemos seu comentário.

      Reply

  • Odovaldo Boncristiano

    24 de março de 2022 at 09:37

    Obrigado Dr Gilberto pelos esclarecimentos,pois hoje está fazendo uma semana que passei por um catecismo com implante destent.Eseus esclarecimentos foi de grande utilidades para mim.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      4 de abril de 2022 at 11:21

      Agradecemos seu comentário.

      Reply

  • FRANCIMIR TEIXEIRA SARAIVA

    27 de abril de 2022 at 04:14

    Gostaria de saber qual o melhor exame para detectar obstrução coronariana, entre a angiotomografia de coronárias e a ressonância de coronárias. Obrigada.

    Reply

    • Dr. Gilberto

      27 de abril de 2022 at 20:24

      Tanto a angiotomografia quanto a ressonancia são exames não invasivos que podem ser utilizados para investigar a presença ou não de obstruções nas coronárias. A angiotomografia tenta visualizar as artérias coronárias, mas tem menos acurácia do que o cateterismo cardíaco (que é o padrão-ouro para a visualização destes vasos). Geralmente, pede-se a angiotomografia em paciente com baixa probabilidade de ser portador de obstruções, ou seja, este exame é mais indicado para excluir a presença de doença das coronárias. Já a ressonancia cardíaca avalia a irrigação do músculo cardíaco, identificando se existe alguma região com irrigação insuficiente (isquemia). Este exame é indicado em pacientes estáveis, com sintomas sugestivos da presença de angina (dor no peito desencadeada por esforço físico), visando confirmar ou não esta suspeita e determinar a necessidade de realização do cateterismo cardíaco.

      Reply

  • Zélia Denise Aleixo

    27 de maio de 2022 at 08:11

    Bom dia! E possível ver uma obstrução através de raio x? Meu sobrinho de 15 anos foi diagnosticado com obstrução através de um raio x?

    Reply

    • Dr. Gilberto

      16 de junho de 2022 at 13:16

      Depende a que tipo de obstrução a senhora se refere. Tanto as artérias e veias quanto as estruturas internas do coração (válvulas e cavidades do coração) não são visíveis ao raio x de tórax. Esse exame é capaz apenas de sugerir a presença de algumas alterações que podem manifestar indiretamente a presença de alguma doença cardíaca. Essas alterações incluem o aumento da silhueta do coração, a presença de congestão (acúmulo de líquido) pulmonar e a presença de derrame pleural (acúmulo de líquido na membrana que envolve os pulmões). Existe uma doença congênita chamada coartação da aorta (estenose da artéria aórtica na sua porção torácica) que pode ser suspeitada quando o raio x de tórax mostra a presença de erosões nas costelas.

      Reply

Deixar uma resposta

Seu email não será divulgado. Required fields are marked *


Dr. Gilberto Nunes | Clínica Cardiologista Porto Alegre

Agência Ibr Marketing Digital