Blog


 

A válvula aórtica é uma válvula cardíaca que conecta o coração com a maior artéria do organismo, que é a artéria aorta. Em condições normais, essa válvula permite uma passagem ampla de sangue entre o ventrículo esquerdo e a aorta.

Com o envelhecimento, algumas pessoas podem desenvolver um processo degenerativo causado pelo espessamento dos folhetos, seguido da deposição de gordura e cálcio, provocando a fusão (aderência) de um folheto ao outro, o que provoca uma redução gradual e progressiva da abertura da válvula aórtica. Esse processo é chamado de estenose degenerativa da válvula aórtica.

Quando a redução da área de abertura da válvula aórtica é muito significativa (causando um grande dificuldade à saída de sangue do coração para a artéria aorta), começam a surgir os sintomas clássicos da estenose aórtica que são: a falta de ar (cansaço aos esforços) progressiva, a dor no peito (muito semelhante à dor de angina) e em casos mais extremos, os desmaios com perda momentânea da consciência.

É importante ressaltar que a estenose aórtica quando severa, ou seja, quando a área de abertura da válvula está muito reduzida, causa um aumento do risco de morte dos pacientes. Consequentemente, o tratamento precoce da estenose aórtica grave é muito importante para prevenir a ocorrência de morte e o surgimento de outras complicações. Se a estenose aórtica grave não for tratada, ela pode ocasionar uma progressiva dilatação do coração e o consequente comprometimento da sua função de bomba, levando a uma piora importante dos sintomas e ao aumento do risco de morte.

Tratamento – Até o início dos anos 2000, o único tratamento disponível para a estenose da válvula aórtica era a cirurgia de peito aberto, no qual se expunha o coração, se ressecava a válvula aórtica doente e se colocava uma prótese artificial (que poderia ser metálica ou feita de material biológico).

A partir dessa época, foi desenvolvido um método de implante por cateter de uma nova válvula aórtica. Inicialmente aplicado apenas em pacientes sem condições clínicas de serem submetidos à cirurgia convencional, esse novo método de tratamento foi progressivamente evoluindo e melhorando os seus resultados. Estudos clínicos comparando o implante por cateter com a cirurgia de troca da válvula demonstram resultados equivalentes entre os dois métodos de tratamento no que diz respeito à redução de mortalidade e melhora dos sintomas clínicos. Atualmente, o implante por cateter da válvula aórtica é aplicado em uma ampla gama de pacientes com estenose da válvula aórtica, com uma recuperação mais rápida e também com uma taxa de complicações menores do que se observa com a cirurgia de peito aberto, especialmente nos pacientes mais idosos.

Em resumo, o tratamento por cateter da estenose da válvula aórtica, desde que anatomicamente viável, é o tratamento de eleição da estenose grave da válvula aórtica por ser menos invasivo, ter uma menor taxa de complicações e possibilitar uma recuperação mais rápida dos pacientes.



 

Infarto do miocárdio é a oclusão aguda ou súbita de uma coronária – artéria que irriga uma parte do músculo cardíaco –, levando a uma isquemia aguda, ou seja, à falta de oxigenação desse tecido do coração. Essa falta de oxigenação aguda pode ocasionar a morte desse tecido caso não seja instituído um tratamento precoce.

Geralmente a dor do infarto tem características e localização muito parecidas com a dor de angina, ou seja, geralmente é do lado esquerdo do peito ou na porção central do tórax, atrás do osso esterno. Ela é em peso, aperto ou queimação, mas com uma intensidade muito superior a dor de angina. Além disso, frequentemente a dor de infarto está associada ao suor frio, náuseas e, eventualmente, vômitos.

Ao perceber os sintomas – dor prolongada e intensa, surgindo em repouso –, deve-se entrar em contato imediatamente com o serviço de emergência para ser atendido, de preferência em casa, e ser levado de ambulância para o hospital. Isso porque, na grande maioria dos casos, as complicações mais imediatas do infarto são devido às arritmias cardíacas, que podem levar a uma parada cardíaca. Então, se essa arritmia acontece dentro de uma ambulância equipada, é muito mais fácil revertê-la. Evidentemente que, se o auxílio de uma ambulância for demorado e for mais rápido acessar o atendimento com um veículo próprio, essa alternativa deve ser implementada.

Chegando ao hospital, é feito um eletrocardiograma para confirmar o diagnóstico de infarto. Também são feitas medicações que bloqueiam as plaquetas e afinam um pouco o sangue. Na sequência, esse paciente deve ser submetido a um cateterismo cardíaco em caráter de urgência, para identificar a artéria responsável pelo infarto e proceder a desobstrução da mesma, com a realização da angioplastia e da colocação de próteses metálicas, os stents.

Esse tipo de tratamento salva vidas, diminuindo de maneira expressiva a mortalidade associada à fase aguda do infarto do miocárdio.

Se a pessoa mora em uma região onde não há hospital equipado para realizar o cateterismo cardíaco de urgência e a angioplastia, esse paciente deve ser submetido no ambiente hospitalar a um tratamento com trombolíticos. Essa medicação é aplicada na veia e dissolve o coágulo que se forma em cima da placa de gordura, permitindo uma passagem parcial de sangue, aliviando os sintomas e permitindo que o músculo não morra, como aconteceria se a coronária permanecesse obstruída. Esse tipo de tratamento serve como ponte para posterior realização do cateterismo cardíaco – em 24/48 horas no máximo, o paciente deve ser transferido para um centro mais equipado e ser submetido ao cateterismo e à angioplastia.



 

Uma dúvida muito frequente é sobre o que é a angina. Se é uma doença cardíaca, como deve ser tratada?

Na verdade, a angina é um sintoma. É uma dor, geralmente, no lado esquerdo do peito ou na porção central do tórax, atrás do osso esterno. Normalmente, tem uma característica de aperto ou de peso. Mais raramente, pode se manifestar como uma queimação, muitas vezes se confundindo com um sintoma gástrico.

Classicamente, a angina surge quando a pessoa faz algum tipo de esforço físico – subir uma escada, acelerar o passo – e, tradicionalmente, alivia em poucos minutos, assim que a pessoa cessa a atividade que a provocou.

A angina é uma manifestação clínica de uma obstrução de alguma artéria coronária por uma placa de gordura. As artérias coronárias são aquelas que irrigam o músculo cardíaco. Quando o fluxo de sangue é diminuído pela existência de uma obstrução, o sinal de alerta que o coração emite é justamente a dor de angina.

Tratamento – Quando a pessoa começa a apresentar esse sintoma, é muito importante que ela procure consultar com um cardiologista para avaliar a extensão do problema e, eventualmente, definir qual o melhor tratamento a ser empregado, que pode ser apenas com medicações ou com a realização de um exame invasivo, chamado cateterismo cardíaco.

O cateterismo cardíaco vai identificar aonde são as obstruções, se comprometem uma ou mais coronárias, e, eventualmente, definir se há necessidade de um tratamento diferente, que pode ser a angioplastia com colocação de stent

s coronários (próteses metálicas que mantêm o vaso aberto) ou, numa minoria de pacientes, a necessidade de fazer uma cirurgia de peito aberto com a colocação de pontes de safena.

Em alguns casos, geralmente naqueles pacientes que tiveram dor em um esforço físico e não procuraram um cardiologista para investigar, pode se instalar um quadro de angina instável – quando a dor começa a aparecer cada vez mais com menos quantidade de esforço, com maior frequência e maior intensidade ou até com a pessoa parada, sem fazer nenhuma atividade físico. Nesses casos, é preciso ação imediata, o paciente deve procurar uma emergência de algum hospital, pois eventualmente, pode haver a necessidade de se realizar um cateterismo de urgência devido à gravidade do quadro.

O reconhecimento desse sintoma e o seu tratamento adequado impedem que o quadro possa progredir para um infarto agudo do miocárdio.



 


 

O tratamento das doenças cardíacas estruturais por cateter representa a nova fronteira da cardiologia intervencionista.
Cada vez mais, os tratamentos por cateter vêm sendo aplicados com bons resultados, especialmente em pacientes nos quais a cirurgia de peito aberto é contraindicada ou de alto risco.
Com certeza, a sua utilização e o refinamento dos seus resultados irá revolucionar o tratamento de uma série de doenças cardíacas, tornando-se uma alternativa extremante eficaz e menos invasiva do que a cirurgia de peito aberto.
O Dr. Gilberto Lahorgue Nunes aborda o tema neste vídeo, apontando a técnica como alternativa.

A Cardiologia Intervencionista é uma subespecialidade da Cardiologia que envolve todos os tratamentos passíveis de serem feitos por cateter. Durante muitos anos, foi sinônimo de tratamento das obstruções das artérias coronárias como uma alternativa a cirurgia de ponte de safena.

Em anos recentes, houve uma expansão das indicações e das técnicas de tratamento por cateter para permitir também a abordagem das doenças que acometem as válvulas cardíacas e das doenças cardíacas que podem levar ao acidente vascular cerebral (AVC).

Com relação às válvulas, já está comprovado, por vários estudos clínicos controlados, que o implante de uma válvula por cateter para o tratamento de uma doença chamada estenose (estreitamento) da válvula aórtica leva a resultados tanto imediatos quanto tardios tão bons quanto os da cirurgia convencional de peito aberto.

Essa equivalência de resultados foi demonstrada em todos os subgrupos de pacientes com estreitamento da válvula aórtica, quer seja aqueles com risco cirúrgico baixo, alto, ou mesmo naqueles pacientes nos quais o risco é proibitivo e a cirurgia contraindicada.

Mais recentemente, começaram a ser realizadas intervenções para o tratamento da válvula mitral, especificamente para tratar uma doença chamada insuficiência da válvula mitral. Nos pacientes portadores dessa doença, a válvula mitral não faz a vedação de forma adequada, permitindo o refluxo de sangue para os pulmões e levando a um quadro de insuficiência cardíaca. Estudos clínicos controlados demonstraram que a colocação por cateter de um clipe nessa válvula pode fazer com que a evolução desses pacientes seja melhorada em relação ao tratamento clínico com medicamentos. Em um desses estudos (e que incluiu um número maior de pacientes) foi demonstrado que, ao final de dois anos de acompanhamento, houve uma redução da taxa de mortalidade dos pacientes que foram submetidos ao tratamento por cateter.

Uma outra área na qual os procedimentos por cateter têm demonstrado bons resultados é na prevenção dos acidentes vasculares cerebrais (“derrames” cerebrais) provocados por liberação de coágulos a partir do coração e a sua embolização para as artérias do cérebro.

Existem duas situações básicas nas quais esse fenômeno pode acontecer. Na primeira delas, uma falta de fechamento da membrana (septo) que separa as cavidades superiores do coração (chamadas de átrios direito e esquerdo) pode permitir que coágulos formados nas veias das pernas possam cruzar para o lado esquerdo do coração e causarem a obstrução temporária ou permanente de uma artéria que irriga o cérebro. Em pacientes jovens, com menos de 55 anos e que já tenham sofrido uma isquemia cerebral sem causa aparente, o fechamento por cateter do defeito do septo que separa os átrios reduz de maneira significativa a ocorrência de um novo acidente vascular cerebral em comparação com o tratamento com medicamentos.

A segunda situação envolve os pacientes portadores de uma arritmia cardíaca chamada de fibrilação atrial, na qual o uso de anticoagulantes (medicamentos que impedem o sangue de coagular) são indicados para prevenir a embolização de coágulos para o cérebro. Nos pacientes que apresentam alto risco de sangramento ou que tenham contraindicação ao uso dos anticoagulantes, a oclusão por cateter de uma cavidade intracardíaca chamada apêndice atrial esquerdo (aonde a maioria dos coágulos são formados) é uma alternativa segura e eficaz de prevenção do acidente vascular cerebral embólico. Além disso, este tratamento por cateter confere uma proteção contra o risco de sangramento associado ao uso prolongado dos anticoagulantes.



As artérias coronárias são as que alimentam o coração. Elas podem sofrer obstruções que impedem o fluxo do sangue, causando cansaço, dor e até infarto.
Em praticamente dois terços dos pacientes, é possível tratá-las por meio da angioplastia com implante de stents. A angioplastia dura de 30 minutos a três horas e é realizada através de um cateter introduzido pelo pulso na artéria radial e guiado até o coração.

Abaixo, exemplos de casos complexos tratados com sucesso com implante dos stents coronários:

 

1) Oclusão da coronária direita
Paciente com a coronária direita 100% obstruída há aproximadamente dois anos. Angina importante aos pequenos esforços e grande área de isquemia na região irrigada por essa coronária.

2) Oclusão da coronária direita 2
Com o emprego de materiais e técnicas especiais, foi possível recanalizar a oclusão e implantar stents coronários, restituindo o fluxo normal pela coronária direita.

3) Tronco 1
Paciente internada em caráter de urgência por quadro de infarto do miocárdio.
O cateterismo cardíaco realizado mostrou obstrução importante no tronco da coronária esquerda envolvendo as origens de duas coronárias principais.

4) Tronco 2
Aspecto final após o tratamento com o implante de stents coronários.

 



 

O mundo tem acompanhado com grande atenção a recente epidemia de gripe causada pelo coronavírus na China. O impacto deste novo surto sobre a saúde cardiovascular global ainda não foi determinado. Inúmeras evidências científicas demostram uma forte associação entre surtos de gripe e a ocorrência de eventos cardiovasculares graves.

Surtos de gripe estão associados a um aumento expressivo do número de internações por infarto, com o risco sendo maior nos primeiros sete dias após o diagnóstico. A gripe causa inflamação generalizada no organismo, ativando a coagulação e predispondo à ruptura de placas de gordura nas artérias, ambos mecanismos reconhecidamente causadores do infarto.

Estudos populacionais indicam que a vacinação contra a gripe reduz de maneira significativa a ocorrência de infarto. Estudos clínicos controlados sugerem que um evento cardiovascular (infarto e derrame cerebral entre outros) é evitado a cada 58 indivíduos vacinados.

Baseado nestas evidências, o Center for Diseases Control americano recomenda a vacinação contra a gripe em todos os indivíduos acima dos 50 anos, especialmente aqueles com alguma forma de doença cardiovascular. As sociedades cardiológicas americanas também recomendam a utilização da vacinação anual como forma de prevenção de novos eventos cardiovasculares em pacientes portadores de aterosclerose. A força dessa recomendação é de magnitude semelhante às de outras estratégias de prevenção de eventos (como o controle da pressão arterial e do colesterol).

Nesse contexto, causa apreensão a falta de ação dos órgãos da saúde e de nós médicos no sentido de indicar a vacinação contra a gripe como forma de prevenção também de eventos cardiovasculares, da mesma forma que recomendamos a cessação do fumo ou o controle do colesterol. Dessa forma, a vacinação sistemática contra a gripe é uma forma eficaz e barata de prevenção de infarto do miocárdio. Essa é uma excelente razão adicional para nos vacinarmos todos os anos.

(Gilberto Lahorgue Nunes, ZH, 13/02/20)

 


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital