Blog



 

Ao contrário do que se acredita leigamente, a hipertensão é uma doença que, na maioria dos casos se instala sem causar absolutamente nenhum sintoma ao paciente. Existe um mito popular de que o aumento da pressão causa dor de cabeça. Estudos têm demonstrado que essa crença não tem nenhum fundamento. É mais provável que a pressão aumente pelo desconforto causado por uma crise de cefaleia muito intensa do que o contrário, ou seja, a dor de cabeça é que pode desencadear um aumento transitório da pressão arterial.

A hipertensão arterial é definida como uma medida da pressão máxima (ou sistólica) maior ou igual a 140 milímetros de mercúrio e da pressão mínima (ou diastólica) maior ou igual a 90 milímetros de mercúrio. A única situação clínica na qual a pressão arterial elevada pode causar dor de cabeça é quando acontece a chamada crise hipertensiva. Nesse caso, o aumento muito agudo e importante da pressão arterial leva a um comprometimento cerebral (devido ao edema cerebral) o que pode provocar dor de cabeça, alterações visuais e mesmo alterações sensoriais ou da consciência.

Essa é uma situação felizmente rara devido ao fato de que hoje em dia o diagnóstico da hipertensão geralmente tem sido feito mais precocemente, devido às campanhas de esclarecimento e educação da população. “À medida que envelhecemos, a probabilidade de nos tornarmos hipertensos aumenta. Por isso, a importância da consulta médica de rotina, que é quando a maioria dos pacientes é diagnosticada com essa doença”, recomenda o cardiologista Gilberto Lahorgue Nunes. A hipertensão é uma doença potencialmente grave. Se não tratada, pode levar a uma série de complicações tanto cardíacas quanto renais ou cerebrais.

A partir dos 35, 40 anos, é recomendada a realização de avaliações médicas periódicas, especialmente naquelas pessoas com histórico familiar de hipertensão ou doenças cardíacas. Casos de emergência, como as crises hipertensivas, devem ser tratadas nas emergências dos hospitais, pois representam situações de alto risco para o desenvolvimento de complicações agudas. Nesses casos, frequentemente é necessária a utilização de medicações por via endovenosa visando obter um controle mais adequado dos níveis de pressão.

Um lembrete também importante: cuide bem da sua pressão, não abuse do sal, exercite-se com regularidade e mantenha uma dieta balanceada e saudável.



 


 

O tratamento das doenças cardíacas estruturais por cateter representa a nova fronteira da cardiologia intervencionista.
Cada vez mais, os tratamentos por cateter vêm sendo aplicados com bons resultados, especialmente em pacientes nos quais a cirurgia de peito aberto é contraindicada ou de alto risco.
Com certeza, a sua utilização e o refinamento dos seus resultados irá revolucionar o tratamento de uma série de doenças cardíacas, tornando-se uma alternativa extremante eficaz e menos invasiva do que a cirurgia de peito aberto.
O Dr. Gilberto Lahorgue Nunes aborda o tema neste vídeo, apontando a técnica como alternativa.

A Cardiologia Intervencionista é uma subespecialidade da Cardiologia que envolve todos os tratamentos passíveis de serem feitos por cateter. Durante muitos anos, foi sinônimo de tratamento das obstruções das artérias coronárias como uma alternativa a cirurgia de ponte de safena.

Em anos recentes, houve uma expansão das indicações e das técnicas de tratamento por cateter para permitir também a abordagem das doenças que acometem as válvulas cardíacas e das doenças cardíacas que podem levar ao acidente vascular cerebral (AVC).

Com relação às válvulas, já está comprovado, por vários estudos clínicos controlados, que o implante de uma válvula por cateter para o tratamento de uma doença chamada estenose (estreitamento) da válvula aórtica leva a resultados tanto imediatos quanto tardios tão bons quanto os da cirurgia convencional de peito aberto.

Essa equivalência de resultados foi demonstrada em todos os subgrupos de pacientes com estreitamento da válvula aórtica, quer seja aqueles com risco cirúrgico baixo, alto, ou mesmo naqueles pacientes nos quais o risco é proibitivo e a cirurgia contraindicada.

Mais recentemente, começaram a ser realizadas intervenções para o tratamento da válvula mitral, especificamente para tratar uma doença chamada insuficiência da válvula mitral. Nos pacientes portadores dessa doença, a válvula mitral não faz a vedação de forma adequada, permitindo o refluxo de sangue para os pulmões e levando a um quadro de insuficiência cardíaca. Estudos clínicos controlados demonstraram que a colocação por cateter de um clipe nessa válvula pode fazer com que a evolução desses pacientes seja melhorada em relação ao tratamento clínico com medicamentos. Em um desses estudos (e que incluiu um número maior de pacientes) foi demonstrado que, ao final de dois anos de acompanhamento, houve uma redução da taxa de mortalidade dos pacientes que foram submetidos ao tratamento por cateter.

Uma outra área na qual os procedimentos por cateter têm demonstrado bons resultados é na prevenção dos acidentes vasculares cerebrais (“derrames” cerebrais) provocados por liberação de coágulos a partir do coração e a sua embolização para as artérias do cérebro.

Existem duas situações básicas nas quais esse fenômeno pode acontecer. Na primeira delas, uma falta de fechamento da membrana (septo) que separa as cavidades superiores do coração (chamadas de átrios direito e esquerdo) pode permitir que coágulos formados nas veias das pernas possam cruzar para o lado esquerdo do coração e causarem a obstrução temporária ou permanente de uma artéria que irriga o cérebro. Em pacientes jovens, com menos de 55 anos e que já tenham sofrido uma isquemia cerebral sem causa aparente, o fechamento por cateter do defeito do septo que separa os átrios reduz de maneira significativa a ocorrência de um novo acidente vascular cerebral em comparação com o tratamento com medicamentos.

A segunda situação envolve os pacientes portadores de uma arritmia cardíaca chamada de fibrilação atrial, na qual o uso de anticoagulantes (medicamentos que impedem o sangue de coagular) são indicados para prevenir a embolização de coágulos para o cérebro. Nos pacientes que apresentam alto risco de sangramento ou que tenham contraindicação ao uso dos anticoagulantes, a oclusão por cateter de uma cavidade intracardíaca chamada apêndice atrial esquerdo (aonde a maioria dos coágulos são formados) é uma alternativa segura e eficaz de prevenção do acidente vascular cerebral embólico. Além disso, este tratamento por cateter confere uma proteção contra o risco de sangramento associado ao uso prolongado dos anticoagulantes.


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital
WhatsApp chat