Blog


Dieta após cateterismo: outra dúvida que surge entre pacientes da clínica Dr. Gilberto Lahorgue Nunes.
Confira a orientação do médico cardiologista.

O que pode comer depois de fazer cateterismo? Essa é uma pergunta frequente dos pacientes da Clínica Dr. Gilberto Lahorgue Nunes.

O médico cardiologista destaca que o mais importante é a recomendação com relação ao período que antecede ao cateterismo.
Depois do procedimento, o paciente pode voltar à sua dieta habitual.
O que se recomenda é que, antes da realização do cateterismo, a pessoa fique em jejum por um período de 8 horas. Isso porque esse exame ou tratamento, na maioria das vezes, é realizado com acompanhamento anestésico e uma sedação leve.
Para evitar a ocorrência de náusea ou de vômito é que se pede que o paciente que vai se submeter ao cateterismo faça o jejum de 8 horas antes do horário marcado para o exame.
Após a realização do procedimento, o indivíduo pode retornar para sua dieta de sempre, que pode ser tanto a normal quanto a dieta específica prescrita pelo seu médico.



Quem faz cateterismo pode beber cerveja? Mais uma dúvida trazida por pacientes da Clínica Dr. Gilberto Lahorgue Nunes.

O médico cardiologista explica que uma coisa não influencia na outra.

Sim, quem faz cateterismo pode beber cerveja. O consumo de álcool não tem nenhuma influência sobre o cateterismo cardíaco.

Beber não vai aumentar o risco de sangramento nem de ter uma cicatrização inadequada do local em que foi feita a punção.

Evidentemente, que o consumo de álcool precisa ser regrado. Não pode ser um consumo excessivo, porque isso traz consequências prejudiciais. Além do coração, o consumo exagerado de álcool pode afetar outros órgãos, como o fígado, por exemplo.

Interferência direta do ato de beber álcool após, ou antes, de fazer um cateterismo não existe.

 



Em artigo publicado hoje (2/9) em ZH, o médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes alerta sobre a importância de estar atento a sinais e sintomas não valorizados antecedentes à ocorrência do infarto.

 

Como prevenir a tragédia da morte súbita

Nesse final de semana, fomos impactados pela morte de Tomaz Simon, um jovem de 49 anos, filho do ex-senador Pedro Simon. Tomaz teve morte súbita enquanto fazia compras num supermercado da capital.

As causas e os fatores de risco para o surgimento das obstruções das artérias coronárias são bem conhecidos, assim com as atitudes a serem tomadas para a prevenção da ocorrência do infarto.

Cuidados com a alimentação, atividade física regular, controle do peso, dos níveis de colesterol, da glicose e da pressão arterial (além da cessação do fumo) são ações fundamentais para quem almeja ter uma vida saudável e longa, livre da ocorrência de eventos cardiovasculares.

Entretanto, talvez nós, médicos, estejamos falhando um pouco em alertar e esclarecer as pessoas sobre os sintomas e sinais do infarto agudo do miocárdio.

Muito embora a literatura médica cite que em aproximadamente 40-50% dos casos, a obstrução de coronária aguda se manifesta de maneira súbita como um infarto ou morte súbita, quando avaliamos no consultório pacientes que sofreram um infarto, um número não desprezível deles relata algum tipo de sintoma premonitório da catástrofe cardíaca que se avizinhava.

Frequentemente, os pacientes contam que, nas semanas ou dias antecedentes à ocorrência do infarto, apresentaram sintomas não valorizados, como desconforto abdominal (geralmente confundido com indisposição gástrica), dores nos braços, nas costas ou na mandíbula, suor excessivo, cansaço inexplicável ou sensação de folego curto.

Todos esses sintomas podem ser sinais iniciais da presença de uma obstrução de uma coronária, especialmente em pacientes com fatores de risco como os listados anteriormente. Nesses casos, a procura do atendimento médico pode representar a diferença entre o diagnóstico precoce de um problema cardíaco ou a chance perdida de evitar um desfecho trágico como o de Tomaz Simon. Campanhas públicas maciças envolvendo entidades médicas e o poder público, educando as pessoas sobre como reconhecer precocemente os sintomas do infarto, são urgentes para prevenirmos mortes potencialmente evitáveis.


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital