Blog


Em artigo publicado hoje (2/9) em ZH, o médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes alerta sobre a importância de estar atento a sinais e sintomas não valorizados antecedentes à ocorrência do infarto.

 

Como prevenir a tragédia da morte súbita

Nesse final de semana, fomos impactados pela morte de Tomaz Simon, um jovem de 49 anos, filho do ex-senador Pedro Simon. Tomaz teve morte súbita enquanto fazia compras num supermercado da capital.

As causas e os fatores de risco para o surgimento das obstruções das artérias coronárias são bem conhecidos, assim com as atitudes a serem tomadas para a prevenção da ocorrência do infarto.

Cuidados com a alimentação, atividade física regular, controle do peso, dos níveis de colesterol, da glicose e da pressão arterial (além da cessação do fumo) são ações fundamentais para quem almeja ter uma vida saudável e longa, livre da ocorrência de eventos cardiovasculares.

Entretanto, talvez nós, médicos, estejamos falhando um pouco em alertar e esclarecer as pessoas sobre os sintomas e sinais do infarto agudo do miocárdio.

Muito embora a literatura médica cite que em aproximadamente 40-50% dos casos, a obstrução de coronária aguda se manifesta de maneira súbita como um infarto ou morte súbita, quando avaliamos no consultório pacientes que sofreram um infarto, um número não desprezível deles relata algum tipo de sintoma premonitório da catástrofe cardíaca que se avizinhava.

Frequentemente, os pacientes contam que, nas semanas ou dias antecedentes à ocorrência do infarto, apresentaram sintomas não valorizados, como desconforto abdominal (geralmente confundido com indisposição gástrica), dores nos braços, nas costas ou na mandíbula, suor excessivo, cansaço inexplicável ou sensação de folego curto.

Todos esses sintomas podem ser sinais iniciais da presença de uma obstrução de uma coronária, especialmente em pacientes com fatores de risco como os listados anteriormente. Nesses casos, a procura do atendimento médico pode representar a diferença entre o diagnóstico precoce de um problema cardíaco ou a chance perdida de evitar um desfecho trágico como o de Tomaz Simon. Campanhas públicas maciças envolvendo entidades médicas e o poder público, educando as pessoas sobre como reconhecer precocemente os sintomas do infarto, são urgentes para prevenirmos mortes potencialmente evitáveis.



As doenças cardiovasculares, especialmente o infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral, representam a principal causa de morte em adultos no Brasil.
O médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes destaca os principais fatores de risco que aumentam a chance de a pessoa ter uma dessas complicações.

Existem vários fatores de risco que levam a pessoa a ter uma dessas doenças cardiovasculares.
Quais são eles?
– História de morte cardíaca súbita na família, especialmente com idade abaixo de 50 anos
– Obesidade
– Sedentarismo
– Diabetes
– Níveis elevados de colesterol e triglicerídeos
Hipertensão arterial sistêmica

Todos esses fatores de risco contribuem para aumentar o chamado risco cardiovascular. Devem ser monitorizados e tratados precocemente a fim de se evitar complicações sérias e, eventualmente, fatais.



As doenças cardiovasculares, especialmente o infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral, representam a principal causa de morte em adultos no Brasil.
O que se tem observado em anos recentes é que as doenças do coração, principalmente a angina e o infarto do miocárdio, têm acometido pacientes cada vez mais jovens.
Tradicionalmente, esse tipo de doença ocorre em pessoas após a quinta ou sexta década de vida. Entretanto, provavelmente relacionado a hábitos não saudáveis, vida atribulada, falta de condições de fazer exercícios físicos e de manter uma dieta adequada, tem-se visto pacientes cada vez mais jovens chegando às emergências com quadro de angina aguda, ou angina instável, ou mesmo com infarto do miocárdio.

Esta semana, o secretário especial de Cultura do governo federal, Mario Frias, de 49 anos, teve a repetição de um quadro agudo de isquemia coronariana, tendo sido submetido a um novo cateterismo cardíaco para verificação do estado das artérias coronárias. É a segunda vez que ele é hospitalizado para esse tipo de procedimento. Anteriormente, em dezembro, ele havia feito cateterismo para colocação de dois stents.

O alerta que se faz sobre a importância de prevenir a ocorrência dessas doenças por meio de hábitos saudáveis de alimentação, exercício físico regular, evitar o tabagismo. E, principalmente, se houver algum outro fator de risco associado como pressão alta, níveis elevados de colesterol, ou diabetes, fazer um controle estrito dessas doenças a fim de se minimizar o risco de no futuro desenvolver um quadro de infarto agudo do miocárdio ou acidente vascular cerebral.



Os stents coronários são pequenas próteses metálicas utilizadas para desobstruir estreitamentos nas artérias coronárias (vasos que irrigam o músculo cardíaco), que provocam o surgimento de dor no peito desencadeada por esforços físicos (angina) ou, em casos extremos, quadros de infarto do miocárdio ou pré-infarto.

Os stents não enferrujam, não quebram, não apresentam rejeição e não saem do local, desde que adequadamente implantados e expandidos. O médico cardiologista Dr. Gilberto Lahorgue Nunes destaca ainda que eles são extremamente eficazes no alívio dos sintomas de angina e, em quadros de infarto e pré-infarto, reduzem o risco de complicações graves, inclusive a ocorrência de morte. 

Essas próteses são feitas de ligas metálicas (tais como cromo ou cobalto), resistentes apesar de possuírem hastes finas, e se conformam completamente à anatomia do vaso.

Os stents são implantados no local da obstrução por meio da insuflação de um pequeno balão, sobre o qual a prótese vem montada, que é introduzido na circulação através de cateteres avançados até o coração a partir da punção de uma artéria localizada no punho (acesso radial) ou na virilha (acesso femoral). As próteses utilizadas atualmente vêm impregnadas com medicamentos que bloqueiam a ocorrência de cicatrização excessiva ou inflamação no local do implante.



O cateterismo cardíaco é o nome genérico que se dá aos procedimentos invasivos cardiológicos realizados com a introdução de cateteres (pequenos tubos) no sistema circulatório. O cateterismo cardíaco pode ser classificado como diagnóstico ou terapêutico.

No cateterismo diagnóstico, o exame é feito visando confirmar ou não a suspeita da presença de uma doença cardíaca (obstrução de coronárias, mau funcionamento de válvulas cardíacas, etc.). Na maioria dos casos, esse exame é feito de maneira ambulatorial, com um tempo de observação posterior no hospital variando de três a cinco horas. Normalmente, o paciente pode retornar às suas atividades normais no dia seguinte ao procedimento, salvo se for detectada a presença de algum comprometimento cardíaco mais grave.

No cateterismo terapêutico, o que se procura é tratar uma doença cardíaca previamente diagnosticada por meio de técnicas menos invasivas do que a cirurgia cardíaca. Esse tratamento pode envolver a desobstrução de uma coronária com o implante dos stents, a correção de um problema envolvendo alguma das válvulas cardíacas ou a correção de um defeito congênito do coração. Se o tratamento por cateter for bem sucedido (o que ocorre em mais de 90% dos casos), o tempo de internação varia de um a cinco dias, e o retorno às atividades usuais é gradual, sendo que no máximo em 30 dias o paciente estará  liberado para retomar a sua vida normal.



O cateterismo cardíaco pode ser realizado por duas técnicas: puncionando-se uma artéria no punho (via radial) ou na virilha (via femoral).

Na técnica femoral, é feita uma anestesia local na região da virilha e, a seguir, puncionada a artéria femoral. Através dessa punção, os cateteres são avançados até o coração.

Após o término do procedimento, os cateteres são retirados e é realizada uma compressão manual por 15 minutos a fim de estancar o sangramento.

Posteriormente, é necessário que o paciente permaneça deitado com a perna imóvel por um período em torno de quatro a cinco horas. Se os anticoagulantes forem utilizados durante a intervenção, é necessário aguardar um período de duas a quatro horas para poder retirar o cateter da virilha. O tempo de repouso no leito necessário, nesse caso, pode chegar a seis horas.

Atualmente, o cateterismo pela virilha, geralmente, só é utilizado em caso de impossibilidade de realização do procedimento pela via radial ou quando há necessidade de puncionar uma veia para estudar o lado direito do coração. A razão da preferência de acesso pelo punho é a menor ocorrência de complicações vasculares, o menor tempo de recuperação (em torno de três horas) e o maior conforto proporcionado ao paciente após o exame (visto que o paciente pode passar o período de observação sentado e liberado para caminhar imediatamente, não havendo a necessidade de repouso no leito pós-procedimento).



O ano de 2020 foi extremamente desafiador para todos devido à pandemia pela Covid-19. Os grandes congressos médicos foram todos suspensos na sua forma presencial e transformados em eventos transmitidos exclusivamente pela internet, com os palestrantes e coordenadores fazendo as suas apresentações de casa. Apesar dessas limitações, vários estudos importantes na área da Cardiologia foram apresentados e, posteriormente, publicados gerando intensa repercussão na comunidade médica.

Um desses estudos foi o REDUCE. Nesse ensaio clínico randomizado, mais de 13 mil pacientes que faziam tratamento com medicações consagradas para colesterol elevado (as chamadas estatinas) foram aleatoriamente alocados (randomizados) para terapia com ácidos graxos ômega-3 (popularmente conhecidos como óleo de peixe) ou placebo.

O objetivo dessa pesquisa era determinar se os ômega-3 seriam capazes de reduzir as complicações cardiovasculares (como morte, infarto, acidente vascular cerebral entre outras) em pacientes com o seu colesterol já adequadamente tratado com estatinas.

Apesar de abordagens anteriores terem sugerido um benefício adicional do uso do óleo de peixe nesses pacientes, nesse grande estudo o uso desses agentes não foi capaz de reduzir a ocorrência das complicações cardiovasculares, o que colocou em dúvida a utilidade dessa classe de medicamentos para redução do risco de complicações em pacientes com colesterol elevado.

Outro estudo interessante foi o LoDoCo2, no qual mais de 5,5 mil pacientes com quadro de doença coronariana crônica (ou seja, presença de placas de gordura nas artérias coronárias que não causam infarto ou angina instável) foram randomizados para o uso da colchicina (uma medicação anti-inflamatória usada no tratamento das crises aguda de gota) ou placebo.

Os resultados dessa pesquisa mostram que o emprego da colchicina esteve associado a uma redução significativa da ocorrência de infarto, da necessidade de realização de procedimentos invasivos (como o implante de stent ou a cirurgia de ponte de safena) e, também, da mortalidade por causas cardiovasculares. Esses achados sugerem que a colchicina pode melhorar a evolução desses pacientes quando associada ao tratamento padrão.

Em relação ao melhor tratamento antitrombótico em pacientes submetidos ao implante de válvula aórtica por cateter, um importante ensaio clínico foi apresentado. O estudo POPular TAVI demonstrou que, em pacientes que já usam anticoagulantes (medicações que impedem a coagulação do sangue), não há necessidade de acrescentar um medicamente que bloqueie a ação das plaquetas (clopidogrel). Já em pacientes que não usam anticoagulantes, a indicação é usar apenas a aspirina isoladamente após o procedimento, pois a adição do clopidogrel, além de não oferecer um benefício adicional, ainda aumenta o risco da ocorrência de sangramentos.

Finalmente, um outro ensaio clínico apresentado em 2020 confirmou que dispomos de uma nova classe de medicamentos, normalmente usada para o tratamento de diabéticos, que pode melhorar a evolução de pacientes com insuficiência cardíaca (“coração dilatado”). O estudo EMPEROR-Reduced envolveu mais de 7 mil pacientes com insuficiência cardíaca e tratamento adequado com medicações com eficácia comprovada e que foram randomizados para o uso da medicação empaglifozina ou placebo.

O uso da empaglifozina reduziu de forma substancial a ocorrência de morte cardiovascular ou internação por descompensação da insuficiência cardíaca. Essa pesquisa confirmou os resultados de um estudo anterior (DAPA-HF) que havia demonstrado que uma medicação similar (dapaglifozina) reduz em 31% o risco de morte nesses pacientes, em comparação com o placebo.

Esses resultados são extremamente animadores, pois adicionam mais uma classe de medicamentos capaz de reduzir a mortalidade e as descompensações dos pacientes com insuficiência cardíaca, reduzindo a necessidade de intervenções mais invasivas, como o transplante cardíaco.



O Dr. Gilberto Lahorgue Nunes responde as questões mais comuns sobre a sua atividade.

Quais doenças um médico cardiologista trata?

O cardiologista faz o diagnóstico e o tratamento das doenças que envolvem o coração e o sistema cardiovascular. As doenças mais frequentemente tratadas pelo cardiologista são a pressão alta (hipertensão arterial), as obstruções das artérias coronárias (vasos que irrigam o músculo cardíaco), as doenças das válvulas cardíacas, as arritmias cardíacas e a insuficiência cardíaca (“coração dilatado”).

Quando procurar um cardiologista?

Deve-se procurar o cardiologista na presença de sintomas sugestivos da presença de doenças cardíacas, tais como a dor no peito, o cansaço, a falta de ar e as palpitações. Geralmente, recomenda-se que a partir dos 40 anos de idade, todas as pessoas façam uma avaliação cardiológica de rotina. Pessoas que tenham histórico de doença cardíaca na família ou que apresentem fatores de risco tais como diabetes, hipertensão, fumo, obesidade ou aumento do colesterol devem fazer esta avaliação mais precocemente.

O que perguntar em uma consulta ao cardiologista?

Durante a consulta com o cardiologista, o paciente deve relatar todos os sintomas que apresenta assim como informar se é portador de algum fator de risco para as doenças cardiovasculares ou se algum familiar de primeiro grau (pais, avós, irmãos/irmãs) é portador de algum tipo de doença cardiovascular ou apresentou morte súbita. O paciente deve perguntar sobre como adotar um estilo de vida mais saudável e que diminua o seu risco de desenvolver doenças do coração.

O que faz um cardiologista intervencionista?

O cardiologista intervencionista é um cardiologista que tem especialização na área de tratamento das doenças cardiovasculares por cateter. Isso inclui o tratamento das obstruções das coronárias, das doenças das válvulas cardíacas e de outras doenças que envolvam as artérias do corpo.


Dr. Gilberto Nunes | Todos os Direitos Reservados

Agência Ibr Marketing Digital